a massa de gragnano

a massa de gragnano

Nascidas, como todas as grandes descobertas, da intuição e da necessidade de assegurar o abastecimento de alimentos não perecíveis, as massas secas parecem descender da cultura Árabe, apesar de existirem várias lendas, interpretações e leituras que transportam sua origem da Itália às costas africanas.

Até o século XVII, época em que a escassez de alimentos atingiu o reino de Nápoles, a massa era pouco difundida e não era considerada um alimento de consumo geral; tornou-se, então, um alimento básico devido às suas qualidades nutricionais e pela invenção contemporânea, novamente ditada pela necessidade, da prensa mecânica (em Nápoles também conhecida por Ngegno), que permitiu a produção de massa a baixos custos ao prensar uma mistura de água e sêmola de trigo durum através de matrizes pré-fabricadas. Nápoles e, especialmente, Gragnano, com o seu microclima ideal combinando vento, sol e umidade na medida certa, eram locais ideais para a secagem, a etapa mais delicada e importante na criação da massa.

Todos no reino de Nápoles, desde os “meninos de rua” (também conhecidos como scugnizzi) até aos nobres, comiam massa, temperada e preparada das mais diversas formas (foi por volta desta época que surgiu o termo mangiamaccheroni). Com esta história resta claro que os habitantes do reino de Nápoles deram uma importante contribuição para o desenvolvimento da produção de massas.

Foi graças, por exemplo, a um engenheiro de Fernando I, inventor dos “homens de bronze”, usados para substituir os pés das pessoas na sova da massa, lançando as bases para as primeiras fábricas, que Gragnano tornou-se o epicentro da produção de massas, assumindo, pela primeira vez, uma dimensão industrial.

Gragnano, com os seus moinhos e fontes de água de composição mineral, perfeitas para a preparação da massa, com sua lendária (e quase mística) tradição na produção artesanal de massas, com suas ruas pelas quais se caminhava ao lado de longos fios de spaghetti a secar, e seus telhados ensolarados para a secagem de massa curta, foi celebrada por escritores e poetas como “a pátria das massas”.

Na primeira metade do século XIX a cidade foi reconstruída para estar a favor do vento, mudança que transformou a cidade em um “secador de massas gigante”; projetada para viver em simbiose com a massa, tornou-se ideal para o desenvolvimento do produto. Gragnano viu, assim, seu território e seus hábitos mudarem junto com a evolução da produção de massa.

Assim como o território, mudaram também as profissões exercidas pelos homens e mulheres que viviam em Gragnano. Aqueles que um dia tinham sido Impastatore ou Impastapasta (o chefe e seu ajudante, que seguiam cada uma das fases de produção), os que controlavam o peso da massa (Gramulista), os que abasteciam a prensa (Serrapressa), aqueles que colocavam a massa nos moldes para ser cortada (Spanditore) e aqueles que, em pares, levavam 10 varais de madeira (para pendurar a pasta longa) de cada vez, quatro em cada mão e uma em cada ombro (Aizacanne), hoje são engenheiros, trabalhadores qualificados e gerentes de produção. Seus gestos, porém, ainda reproduzem o cuidado do ajudante e do Impastatore, que supervisionavam as fases da secagem da massa, a mestria dos Tiracanna e Sfilatore, que removiam a massa seca das máquinas e separavam em lotes de cinco quilos.  Ainda persiste a paciência e habilidade para verificar se a massa ainda é nzellusa (úmida) ou bona e man (pronta), mas, sobretudo, mantém-se uma massa que tem o sabor e a textura de 500 anos de experiência.

PARTILHE ESTA PÁGINA

com as suas redes sociais

Política de privacidade

Os seus dados serão processados, utilizando meios eletrónicos, pela Pastifico Lucio Garofalo spa - responsável pelo processamento - escreva para Via dei Pastai 42, 80054 Gragnano (NA) para solicitar o envio do boletim informativo solicitado. O supervisor de dados é: xister s.r.l. - Vicolo della Frusta 8, 00153 Roma (RM). As pessoas escolhidas para processar os dados são os operadores dos serviços da Web, do sistema informático e de segurança de dados. Em conformidade com o art. 7, decreto-lei 196/2003, poderão ser exercidos os direitos relacionados, incluindo a referência, alteração e cancelamento dos dados, ou poderá opor-se ao seu processamento para fins promocionais, através de uma mensagem escrita dirigida ao responsável, para a morada referida acima. De igual forma, poderá solicitar uma lista completa dos responsáveis pelo processamento.

Termos e condições

Todos os conteúdos deste Website pertencem e são controlados pela Pastificio Lucio Garofalo S.p.A e são protegidos pelas leis internacionais referentes aos direitos de autor.                                                                                                            Qualquer conteúdo poderá ser transferido apenas para uso pessoal e para fins não comerciais. Em caso algum poderá ser efetuada qualquer alteração ou reprodução do conteúdo. O conteúdo não poderá ser copiado ou utilizado de qualquer outra forma. Os proprietários deste website deverão exercer todos os esforços possíveis para atualizar e garantir a correção da informação contida neste website. Contudo, não declaram, garantem ou asseguram o rigor, pertinência ou integridade da informação disponibilizada. Os proprietários deste website recusam qualquer responsabilidade por qualquer dano ou prejuízo decorrente do acesso a este website ou da impossibilidade de aceder ao mesmo, ou da confiança depositada em qualquer informação disponibilizada por este website.                                                                                                                                                                         Este website poderá indicar ligações ou fazer referências a outros websites. Contudo, os proprietários deste website recusam a responsabilidade relativamente ao conteúdo de quaisquer websites de terceiros e por qualquer dano ou lesão provocados pelo conteúdo em questão.